sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

VINICIUS TORRES FREIRE / QUEDA DE JUROS DEVE LEVAR A LENTA MELHORA - DEZEMBRO DE 2016



A inflação enfim parece estar caindo, de um jeito que dê para notar. Os preços estão caindo? Um ou outro, em especial de comida. É preciso prestar atenção na diferença. Inflação em queda significa apenas que os preços estão subindo mais devagar, na média.

É pelo menos uma pequena boa notícia nesse mundão de coisa ruim que virou a economia brasileira.

Desde 1998 que os preços não subiam tão pouco em um mês de novembro. Desde essa época que os preços não subiam tão pouco no trimestre. E daí? As coisas continuam caras. Mas a boa notícia, miudinha, é que, com inflação menor, as taxas de juros podem cair mais rápido.

Quais taxas de juros? Do crediário, do cheque especial? Essas também. Mas, no começo, vão cair as taxas de juros que o Banco Central mais ou menos regula, que são as dos empréstimos entre bancos, basicamente.

Mas esses juros são o piso do mercado, são os juros do atacadão do mercado de dinheiro. No varejo, onde nós pegamos empréstimos, as taxas são muitíssimo maiores e vão cair no começo de um modo que não dá muito para perceber. Mas vão.

Qual a diferença? Com juros menores, as empresas têm menos custos para produzir, talvez até investir, mais adiante.

Com juros menores para consumo e para empresas, é possível que a economia brasileira comece pelo menos a sair do buraco onde está, ainda se arrastando.

Essa queda de juros vai resolver logo esta nossa crise pavorosa? Nem de longe. Vai ser uma melhora lenta. Primeiro, isso afeta as empresas. É possível que elas voltem a produzir mais.

O problema é que há tanta capacidade ociosa nas empresas que elas não vão precisar contratar muito mais gente ou comprar mais máquinas para produzir mais. Mas, mais adiante, pelo menos podem deixar de demitir.

É pouco? É. Mas é o que temos. Esta recessão é a pior desde que se tem notícia no Brasil, faz pelo menos 115 anos.



MARCADORES: DESEMPREGO, QUEDA NOS ÍNDICES DE INFLAÇÃO, PREÇOS DOS ALIMENTOS  EM, DESINFLAÇÃO, DEFLAÇÃO, RECESSÃO, DEPRESSÃO ECONÔMICA, PERUÍBE, PERUIBENSE, VALE DO RIBEIRA, VALE-RIBEIRENSE, ANA DIAS, ITARIRI, ITARIRIENSE, PEDRO DE TOLEDO, PEDRO-TOLEDENSE, MIRACATU, MIRACATUENSE, JUQUIÁ, JUQUIAENSE, REGISTRO, REGISTRENSE, IGUAPE, IGUAPENSE, ILHA COMPRIDA, ILHA COMPRIDENSE, SETE BARRAS, SETE-BARRENSE, PARIQUERA-AÇU, PARIQUERENSE, JACUPIRANGA, JACUPIRANGUENSE, CANANÉIA, CANANIENSE, BARRA DO TURVO, BARRA-TURVENSE, CAJATI, CAJATIENSE, IPORANGA, IPORANGUENSE, ELDORADO, ELDORAENSE, BARRA DO CHAPÉU, BARRENSE, SANTOS, BAIXADA SANTISTA, LITORAL PAULISTA, ESTADO DE SÃO PAULO, CURITIBA, PARANÁ, LITORAL PARANAENSE, BRASIL, BRASILEIROS

Nenhum comentário: