sexta-feira, 13 de outubro de 2017

PESQUISA REVELA QUE SANTOS É DESTAQUE NO EMPREENDEDORISMO - OUTUBRO DE 2017




MARCADORES: CIDADE DE SANTOS, BAIXADA SANTISTA, LITORAL PAULISTA, EMPREENDEDORISMO, SALA PARA EMPREENDEDORES SANTISTAS, PEQUENAS EMPRESAS, NEGÓCIOS, CAPITALISMO PRAIANO, OUTUBRO DE 2017

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

ALGUNS VÍDEOS SOBRE A PIOR REPORTAGEM DA HISTÓRIA DO PROGRAMA FANTÁSTICO - OUTUBRO DE 2017






OPINIÃO DO NANDO MOURA





CANAL DO liloVLOG





CANAL SEU TUBE





BÔNUS: MEU VÍDEO A RESPEITO DO "PROJAQUISTÃO"



MARCADORES: BRASIL, MOSTRA QUEERMUSEU, HOMEM NU NO MAM, ECA / ESTATUTO DA CRIANÇA E ADOLESCENTE, REDE GLOBO, #GloboLixo, PIOR REPORTAGEM DO PROGRAMA FANTÁSTICO, MARXISMO CULTURAL, ARTE MODERNA, DEGRADAÇÃO MORAL, JORNALISMO, CONSERVADORISMO, BOICOTE, TV ABERTA, OUTUBRO DE 2017

terça-feira, 10 de outubro de 2017

DENISE CAMPOS DE TOLEDO / INFLAÇÃO E JUROS EM ROTA DE QUEDA - OUTUBRO



A inflação vem rodando num nível bem baixo, favorecida principalmente, pela deflação dos alimentos, que começam a sair do campo negativo. Isso deve trazer alguma pressão sobre os índices, fora o aumento das tarifas, como a bandeira vermelha de nível 2, nas contas de luz, e o ajuste anunciado hoje pela Sabesp, nas contas de água, em São Paulo. Vale notar que, mesmo com essas pressões, a inflação no fechamento do ano deve ficar ao redor de 3%, garantindo mais cortes da taxa básica de juros. Não com a mesma intensidade das últimas reuniões do Copom, do Comitê do Banco Central, mas a taxa selic ainda deve cair, pelo menos, 0,75 ponto percentual na reunião deste mês e meio ponto na de dezembro, fechando 2017 em 7%. Alguns analistas até defendem um corte maior. Só que a postura do Banco Central tende a ser de cautela. O presidente do BC, Ilan Goldfajn, e documentos da instituição têm apontado uma freada no ritmo de corte dos juros. No ano que vem, provavelmente, a inflação não vai ficar tão baixa como neste. O mercado prevê 4,02%, ainda inferior a meta de 4,5%, mas vai ser um ano de eleições, que podem trazer mais pressões sobre o mercado, o dólar e a própria inflação. E ainda tem a esperada retomada da atividade econômica. Em 2017 a economia está saindo da recessão, com um crescimento modesto, que deve ganhar força em 2018, sendo que a reação da atividade pode dar espaço pra recomposição de preços em alguns setores, como já vem ocorrendo, de forma bem gradual, nos serviços. Se a pressão for maior que a esperada, o Banco Central pode ter de voltar a elevar os juros, o que não seria positivo, até do ponto de vista das expectativas. Por outro lado, tem a questão do fluxo de investimentos. Com a economia brasileira em reestruturação, tendo de vencer o desafio das reformas e do ajuste fiscal, uma redução mais forte dos juros pode afastar o investidor estrangeiro, pelo fator risco. O ganho aqui tem de compensar as incertezas da economia e da política. Mas pra uma economia que pouco tempo atrás chegou a ter inflação de dois dígitos, com juros básicos em 14,25% ao ano, as condições atuais são bem mais vantajosas. Essa trajetória de queda da inflação e dos juros já é um estímulo importante ao consumo e à atividade, mesmo sem um corte mais substancial das taxas na ponta final, no crédito. Uma boa noite.

MARCADORES: ECONOMIA DO BRASIL, INFLAÇÃO EM QUEDA, JUROS IRÃO CAIR, OUTUBRO DE 2017, FORA TEMER SENDO DERROTADO PELA MELHORA ECONÔMICA

sábado, 7 de outubro de 2017

ALGUNS VÍDEOS SOBRE O BOLSONARO NA CAPA DA VEJA - OUTUBRO DE 2017



LEMBRAM DA CAPA DA REVISTA TIME COM O TRUMP? POIS É, PESSOAL.







CANAL DO LILOVLOG






CANAL POLITICA MENTE BR






PORTAL ENDIREITA O BRASIL - ENDIREITANDO O PAÍS





BÔNUS: MEU VÍDEO 


MARCADORES: BRASIL, ELEIÇÕES PARA PRESIDENTE EM 2018, DEPUTADO FEDERAL JAIR MESSIAS BOLSONARO, BOLSONARO NA CAPA DA REVISTA VEJA, MÍDIA, IMPRENSA, ESQUERDA, ESQUERDISMO, DIREITA, LEMBRAM DO TRUMP NA REVISTA TIME?

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

VINICIUS TORRES FREIRE / A ENORME DÍVIDA PÚBLICA VAI AUMENTAR - OUTUBRO DE 2017




O que o Congresso tem feito por estes dias, além da lambança crônica? Tem gastado dinheiro público que não existe, com gente que não precisa. É verdade também que os parlamentares se dedicam a negociar a permanência de Michel Temer no governo, cobrando favores diversos em troca de rejeitar a abertura de um processo contra o presidente.

E quanto ao dinheiro?

Ontem e hoje, Câmara e Senado aprovaram a lambança do Refis. O que é isso? É um perdão e um refinanciamento da dívida de empresas com o governo. Quem tem dívida de impostos, entre outras, ganha um descontão nos juros e nas multas. Desde o ano 2000, já houve uns 30 programas de perdão desse tipo.

O governo já tinha sido generoso com os devedores. O que o Congresso fez? Deu um perdão de mais uns R$ 9 bilhões para empresas, algumas dos próprios deputados e senadores, além de seus amigos e parentes.

O que são R$ 9 bilhões? É quase um terço do que o governo gasto por ano com o Bolsa Família, por exemplo.

Quer dizer, se fosse possível pegar esses R$ 9 bilhões e simplesmente dar para 13 milhões de famílias que recebem o Bolsa, elas teriam um aumento de mais de 30% no dinheirinho delas.

Mas nem é possível. Esse dinheiro nem existe. O governo não tem dinheiro para nada, já gasta mais do que arrecada, faz dívida até para manter a administração funcionando no mínimo.

O que vai acontecer é que a dívida do governo federal, que já é enorme e carésima, vai aumentar.

Ainda pior, os deputados queriam dar ainda mais dinheiro, Queria perdoar as dívidas de todas as igrejas, queriam dar um dinheirão para faculdades privadas. Mas esse esmolão com o dinheiro alheio caiu, não passou no Senado.

Parou por aí? Não. O Congresso aprovou também o fundão para financiar as campanhas eleitorais, de pelo menos 1 bilhão e 700 milhões de reais. Não inventaram um meio mais decente de financiar as campanhas, levam dinheiro público. Afinal, muitos estão ainda mais desesperados para se reeleger.

Se perderem a eleição, correm mais risco de ir para a cadeia.



COMENTÁRIO: quem defende financiamento público de campanha, é ingênuo ou tem péssima intenção. Basta dizer que os grandes partidos são os grandes beneficiados por isso.


MARCADORES: BRASIL, CONTRIBUINTES BRASILEIROS, GOVERNO FEDERAL, DÍVIDA PÚBLICA, CONGRESSO NACIONAL, CONGRESSISTAS, DEPUTADOS, SENADORES, ELEIÇÕES EM 2018, OUTUBRO DE 2017

sábado, 30 de setembro de 2017

RETOMANDO O TEMA "POSTAGENS DE AÇO: LOBO SOLITÁRIO / CONCURSEIRO DE AÇO" - SETEMBRO DE 2017




LINK RECOMENDADO: POSTAGENS DE AÇO - SÉRIE LOBO SOLITÁRIO / CONCURSEIRO DE AÇO





MARCADORES: CONCURSEIROS, CONCURSOS PÚBLICOS, MUNICIPAIS, ESTADUAIS, FEDERAIS, ESTUDANDO PARA CONCURSOS, PERUÍBE TREVAS, PERUIBENSES, PERUIBANOS, CONCURSEIRO DE AÇO, LOBO SOLITÁRIO, EMPREGOS, OPORTUNIDADES, SETEMBRO, 2017


sexta-feira, 29 de setembro de 2017

VINICIUS TORRES FREIRE / ENERGIA MAIS CARA, MAS SEM APAGÃO - SETEMBRO DE 2017



Como a gente tinha comentado aqui no Jornal da Gazeta, na semana passada, a conta de luz vai ficar um pouco mais cara. A cada 100 kWh, vamos pagar mais R$ 3,50 por mês.

Não parece tanto, mas o aumento é sinal de um problema um pouco mais preocupante: há uma seca braba no país quase inteiro. Os lagos das usinas hidrelétricas estão em nível mais baixo que na primavera do ano 2000, pouco antes do apagão do governo FHC.

Vai ter apagão? Por ora, nem sombra disso. O país tem fontes de eletricidade que não tinha no ano 2000, como os grandes geradores movidos a gás ou óleo, as usinas termelétricas. Temos a energia dos ventos, das usinas eólicas, que praticamente não existiam faz uma década.

Ainda assim, é um problema. A energia vai ficar ainda mais cara para as empresas. Não é uma boa notícia para um país que apenas começa uma recuperação econômica muito minúscula.

Outro problema é a falta de água em si. O Distrito Federal, onde fica Brasília, está em racionamento de água desde janeiro. O Nordeste entrou no sexto ano de seca. A situação é mais grave na Paraíba, onde 88% das cidades estão em estado de emergência ou calamidade por falta d´água.

No Ceará, dois terços das cidades estão afetadas. A coisa está feia também no Piauí, Pernambuco e norte de Minas Gerais. Começa a haver preocupação com racionamento nas cidades em torno do Rio de Janeiro e no interior de São Paulo. Isso é ruim para a vida do dia a dia mas também para várias empresas, de indústrias a fazendas, que dependem de água para produzir.

A Agência Nacional de Energia Elétrica, que cuida de fiscalizar o setor, vai começar uma campanha pela poupança de água e luz. O governo todo deveria fazer a mesma coisa.

A gente só vai saber mesmo se a seca vai continuar de modo preocupante lá por novembro, dezembro, quando começa a estação de chuvas no Sudeste e no Centro-Oeste. Mas não é prudente esperar até lá, torcer pelas chuvas de verão, como fez o governo FHC.



MARCADORES: PROJETO USINA TERMOELÉTRICA / TERMELÉTRICA EM PERUÍBE, USINA SIM, USINA NÃO,  SETEMBRO DE 2017


quinta-feira, 28 de setembro de 2017

AUDIÊNCIA SOBRE A TERMOELÉTRICA FOI CANCELADA (FOTOS E VÍDEO) - SETEMBRO DE 2017






















A AUDIÊNCIA PÚBLICA QUE SERIA REALIZADA HOJE NO PERUÍBE PALACE, FOI CANCELADA POR UMA LIMINAR. 


MARCADORES: USINA TERMOELÉTRICA / TERMELÉTRICA EM PERUÍBE, AUDIÊNCIA PÚBLICA CANCELADA, MANIFESTANTES, MANIFESTAÇÃO, USINA SIM, USINA NÃO, SETEMBRO DE 2017

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

CARTA DE PALOCCI AO PT - SETEMBRO DE 2017





Na minha humilde opinião, o momento mais revelador da carta foi quando o Palocci chamou o Lula de "ex-presidente", o que de fato ele é. Ora, é regra entre a companheirada chamar o Lula de "presidente", embora não exerça mais o cargo, o que significa que o ex-companheiro repudia a figura idealizada do "filho do Brasil". 




MARCADORES: CARTA DE PALOCCI AO PT / PARTIDO DOS TRABALHADORES, ANTONIO PALOCCI JÚNIOR, DESFILIAÇÃO DO PARTIDO, POLÍTICA, JUSTIÇA, LULA, SETEMBRO DE 2017


terça-feira, 26 de setembro de 2017

TEMER LANÇA O PROGRAMA PROGREDIR - SETEMBRO DE 2017




MARCADORES: GOVERNO DO (ATÉ QUANDO?) PRESIDENTE MICHEL TEMER, BENEFICIÁRIOS DO BOLSA FAMÍLIA, PROGRAMA PROGREDIR, BRASIL, BRASILEIROS, SETEMBRO DE 2017


sábado, 23 de setembro de 2017

A REDUÇÃO DO DESEMPREGO EM PERUÍBE PROSSEGUE PEQUENA, MAS É UMA REALIDADE - SETEMBRO DE 2017



Enquanto tantos munícipes escolhem entre a turma da #UsinaNão ou #UsinaSim, de acordo com o CAGED, o emprego formal em Peruíbe apresentou um novo saldo positivo em agosto:


ADMISSÕES: 194 

DEMISSÕES: 159

SALDO:            35

A recuperação econômica da cidade prossegue lenta, o que faz com que muitos peruibenses desempregados (os que mais sofreram com o catastrófico desgoverno Dilma), tenham de esperar ainda mais para saírem do aperto, seja aguardando pela temporada de verão 2017/2018, ou após muitos adiamentos optando pela migração.

E numa cidade tão polarizada pela questão TERMOELÉTRICA/TERMELÉTRICA, a canção abaixo é recomendada: 






Independente de qual lado "vença", Peruíbe continuará a existir, e mais uma fase difícil terá de ser superada, como tantas outras.

MARCADORES: PERUÍBE, PERUIBENSES, PERUIBANOS, REDUÇÃO DO DESEMPREGO, SETEMBRO DE 2017

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

VINICIUS TORRES FREIRE / VAMOS ECONOMIZAR ENERGIA ELÉTRICA - SETEMBRO DE 2017



A seca no Nordeste está no sexto ano. É a mais comprida em um século, desde a seca horrível e assassina que durou até 1915. O tempo está seco também no resto do país. Os lagos das usinas que produzem eletricidade estão nos níveis mais baixos desde o ano 2000.

Foi no ano 2001 que houve o apagão de FHC. Vai ter racionamento? Não, não é isso. Mas a luz deve ficar mais cara se não chover normalmente. Hoje o Brasil depende menos da eletricidade das usinas hidrelétricas. A energia vem também das térmicas, geradores gigantes, e das usinas eólicas, movidas a vento.

Ainda assim, a seca é preocupante. As hidrelétricas ainda produzem três quartos da energia elétrica que consumimos. Se o país voltar a crescer e a seca continuar, a coisa pode ficar apertada.

No Nordeste, os reservatórios das hidrelétricas estão no nível mais baixo desde o ano 2000. No Sudeste, o terceiro mais baixo. Só não está pior que no ano de 2001, o do apagão de FHC, e da seca dura de 2014, que quase deixou São Paulo sem água.

É preciso poupar a água dos lagos das hidrelétricas. Para isso, a administração do uso da eletricidade no Brasil pode mandar ligar mais usinas térmicas, de energia mais cara. Ou pode importar energia dos vizinhos. Hoje, o governo autorizou a compra de eletricidade do Uruguai e da Argentina. A coisa apertou.

Gente no governo é a favor do lançamento de uma campanha de economia de energia, o que é razoável e responsável, pois, entre os países de economias maiores, o Brasil é um dos que mais desperdiça eletricidade. Mas, como esse tipo de campanha pega muito mal e causa medo de racionamentos, o governo quer evitar o assunto pelo menos até novembro, dezembro, quando em geral começa a chover de novo aqui no Sudeste.

É possível que, a partir de outubro, a gente volte a pagar "bandeira vermelha", um extra de até R$ 3,50 por 100 kWh que a gente consome em casa. Enfim, há vários sinais de que a coisa ficou mais apertada, que a seca pelo país está dura e que o consumo de energia deve crescer, com a melhora da economia.

Em resumo, vamos economizar, pelo bem do nosso bolso e do país.




MARCADORES: RECUPERAÇÃO DA ECONOMIA BRASILEIRA, GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA, SECAS AFETANDO OS RESERVATÓRIOS, INVESTIMENTO EM TERMOELÉTRICA, TERMOELÉTRICA / TERMELÉTRICA EM PERUÍBE, SETEMBRO DE 2017