quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

CONCURSO PÚBLICO MUNICIPAL PARA A PREFEITURA DE CURITIBA, PARANÁ - FEVEREIRO DE 2016



A Prefeitura de Curitiba (PR) abriu concurso para 145 vagas de nível médio e superior. As vagas são para profissional do magistério docência I, técnico de enfermagem em saúde pública e enfermeiro. Os salários vão de 1.725,09 a R$ 2.616,62. As inscrições devem ser feitas de 12 de fevereiro a 11 de março pelo site www.nc.ufpr.br. As taxas são de R$ 90 e R$ 100. A prova será no dia 10 de abril. Veja o edital.


LINK DO NÚCLEO DE CONCURSOS / UFPR: http://www.nc.ufpr.br/

LINK DO EDITAL DO CONCURSO: CONCURSO PÚBLICO 2016


FONTE: G1 ECONOMIA / CONCURSOS E EMPREGO







MARCADORES: CONCURSO PÚBLICO MUNICIPAL, CIDADE DE CURITIBA, CAPITAL DO ESTADO DO PARANÁ, METRÓPOLE PARANAENSE, SUL DO BRASIL, EMPREGO, OPORTUNIDADES

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

VINICIUS TORRES FREIRE / MUDAR DE PRODUTO É A SAÍDA NA ALTA DE ALIMENTOS - FEVEREIRO DE 2016



O preço da comida está irritando ou preocupando muito. A gente ouve mais reclamação na fila do mercado, mais espanto na feira. A gente vê os números da inflação.

Nas contas dos economistas, a inflação deve ser menor neste ano do que no ano passado. Mas, a cada semana, se acha que a queda não vai ser tão grande assim.

Na prática, se a situação não voltar a piorar, a gente deve começar a sentir uma inflação menor lá por junho.

No ano passado inteiro, a inflação média no Brasil foi de 10,7%. Neste ano, se estima que deva ficar em 7,5%.

O que está pegando mais, no momento, naqueles preços que a gente sente mais? Preço de comida. O preço de energia ficou muito alto, mas não está subindo mais assim. Já o preço da comida, o que pesa mais, subiu bem em janeiro, em especial em São Paulo.

Apenas em janeiro, o preço das hortaliças subiu 14%. Feijão, alta de 7%. Arroz, 3,5%. Pão, 4,3%. Isso tudo é alta de apenas um mês, segundo os dados do Instituto Agrícola de São Paulo.

A chuva atrapalhou as plantações desse produto. No caso do pão, o problema é o trigo, que tem preço em dólar, assim como o óleo de soja. É verdade que preço de comida varia muito rápido, depende do clima, da chuva, da seca. Pode haver uma virada nos próximos meses, até para melhor. O problema é quando a inflação em geral já está alta, quando a maioria dos outros preços também estão subindo. Então, fica mais difícil de ajeitar a vida. Não tem muito como escapar, a não ser tentar fazer trocas de produtos. A carne de porco subiu muitíssimo menos que as outras, por exemplo. Mas o alívio é pequeno, na conta do supermercado.

No meio do ano passado, a gente disse aqui no Jornal da Gazeta que a inflação deveria começar a cair um pouquinho antes do Natal. Não rolou. Agora, parece que em junho os preços devem subir com menos rapidez, o bastante para a gente sentir no bolso.

Dá para acreditar mais agora? Talvez sim, infelizmente. Vai ser mais difícil aumentar preço, pois a gente compra cada vez menos, dada a crise, que vai piorando.




MARCADORES: INFLAÇÃO, PREÇOS, COMIDA, ALIMENTOS, GOVERNO DA PRESIDENTE DILMA / PT

A TEMPORADA DE VERÃO 2015 / 2016 TERMINOU EM PERUÍBE. E AGORA? - FEVEREIRO DE 2016




O texto abaixo foi originalmente publicado neste blog em fevereiro de 2013, mas por ele ser TÃO ATUAL, o reproduzo. Em Peruíbe não existem progressos, apenas variações para trás.



"Esta semana é bem diferente da passada, pois pode se dizer que a temporada de verão acabou. Esse período, que vai da véspera do natal ao final do carnaval se encerrou. O número de desempregados voltará a ser elevado, sendo que muitos correrão o risco de, quanto mais demorarem para arrumar novas ocupações, mais rápido caminharão para a miséria. Escrevo sobre gente que ficou "numa boa" por apenas uns dois ou três meses. Homens e mulheres nascidos na cidade ou que cresceram aqui, na sua maioria entre os vinte e os cinquenta anos, muitos com filhos pequenos, muitas contas para pagar, e cujas perspectivas de retorno ao mercado de trabalho fora da temporada serão escassas. Pessoas que cedo ou tarde precisarão trabalhar ganhando bem menos do que o necessário, se tiverem tal sorte, para não serem chamadas de vagabundas. Gente que precisará se ajustar a ociosidade - o que não significa aceitá-la - e a partir daí buscar um novo rumo.

Muitos jovens universitários só poderão iniciar suas carreiras profissionais lá fora. Aquela que é sem dúvida a mais bem qualificada geração peruibense (nunca teve tanto morador daqui em cursos de ensino superior e de nível técnico) tende a partir em massa, para não se sentir inútil, dispensável e parte de um grupo de gente que não se encaixa, forçada a ficar à margem, embora com melhor instrução. Essa migração só tende a contribuir para uma "desertificação de ideias" nesta cidade, podendo até mesmo estagnar o crescimento demográfico.

O que eu não entendo nesta cidade é a dificuldade em se aceitar o fato de que o grande problema de Peruíbe não é o SUS local com as suas conhecidas deficiências, mas o desemprego de longa duração ao qual toda uma massa de trabalhadores tende a ficar novamente submetida, agora que os turistas se foram. Para piorar, neste ano não falta por aí muito peruibense jovem deixando a adolescência, e que como adulto, corre o risco de demorar um bocado de tempo para ter a experiencia de um emprego, uma carreira, uma vida profissional, enfim, essas coisas normais que fazem (eu acho que fazem) parte da vida de qualquer ser humano capaz de trabalhar. Essa mão-de-obra farta e subaproveitada tende a ser muito barata para possíveis empregadores, o que (como já disse em outras postagens), contribui para os baixos níveis salariais locais.

Como consequência disso tudo, é apenas normal que qualquer descontente revoltado troque um trabalho precário e bem pouco rentável por uma passagem de ônibus em algum veículo da Breda, Intersul ou Catarinense e simplesmente saia daqui.

A temporada de verão terminou, mas o drama de muita gente está apenas começando."



Escrevi o texto acima a três anos atrás, ou seja, num tempo em que o Brasil não atravessava uma crise tão medonha quanto a atual. Uma futura - mas previsível - recessão parecia fantasia catastrofista aos fãs da dupla dinâmica Lula / Dilma. Mas a conta da política populista de ambos chegou, e no caso de Peruíbe, afeta seriamente uma cidade despreparada, cujo desemprego costuma ser alto mesmo nos períodos em que a economia nacional se encontra melhor. A temporada de verão que se encerra agora foi a mais fraca em anos, e incrivelmente barulhenta, com bagunceiros incomodando o sossego alheio durante várias madrugadas. 





E aos jovens peruibenses que buscam oportunidades no mercado de trabalho local, apenas peço que enxerguem além daqui. 


POSTAGEM RECOMENDADA: CIDADE SEM FUTURO


MARCADORES: PERUÍBE, PERUIBENSE, FIM DAS FÉRIAS ESCOLARES, TEMPORADA DE VERÃO 2015 / 2016, CARNAVAL EM PERUÍBE 2016, EMPREGO / DESEMPREGO, OPORTUNIDADES DE TRABALHO, JUVENTUDE DE PERUÍBE, A FESTA ACABOU ... E AGORA?


CONCURSO PÚBLICO PARA A PREFEITURA DE PINHAIS, PARANÁ - FEVEREIRO DE 2016





As inscrições já estão abertas para o concurso da Prefeitura de Pinhais, no interior do Paraná. Foram publicados dois editais com um total de 79 oportunidades para todos os níveis de escolaridade, com remuneração que varia de R$ 1.103,11 a R$ 11.506,85.

Vagas

O edital 01/2016 oferece vagas para os cargos de Auxiliar Operacional, Operador de Máquina I, Auxiliar Administrativo, Cuidador I , Cuidador II, Educador Infantil, Médico Infectologista, Pedagogo, Pedagogo para Educação Especial e Professor.

No edital 02/2016 são 9 oportunidades são para a carreira de Médico da Família.

Cronograma

O período para se inscrever termina no dia 28 de fevereiro e o cadastro deve ser feito através do site da organizadora ESPP. O valor de inscrição é de R$ 35,00 para o nível fundamental Incompleto e completo, R$ 50,00 para os cargos de nível técnico e R$ 70,00 para os cargos de nível superior. O processo de avaliação conta com prova objetiva e o início está previsto para o dia 13 de março de 2016. 



FONTE: NOVA CONCURSOS


SITE DA EMPRESA DE SELEÇÃO PÚBLICA E PRIVADA / ESPP, PARA INSCRIÇÃO NO CONCURSO: ESPP CONCURSOS







MARCADORES: CONCURSO PÚBLICO MUNICIPAL, CIDADE DE PINHAIS, REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA, ESTADO DO PARANÁ, EMPREGOS, OPORTUNIDADES


terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

VERTICALIZAÇÃO EM PERUÍBE, E ALTERNATIVAS PARA O NOSSO DESENVOLVIMENTO - FEVEREIRO DE 2016



MARCADORES: PERUÍBE, PERUIBENSE, EDIFÍCIOS, PRÉDIOS ALTOS, URBANIZAÇÃO, VERTICALIZAÇÃO, PANORAMA URBANO, ARQUITETURA, BAIXADA SANTISTA, DESENVOLVIMENTO, BAIXADA SANTISTA, VALE DO RIBEIRA, AGRICULTURA, COMÉRCIO, PESCA, BALSA, CATAMARÃ, IGUAPE, DESENVOLVIMENTO

domingo, 7 de fevereiro de 2016

DESEMPREGO CRESCE NA BAIXADA SANTISTA - FEVEREIRO DE 2016







NÚMERO DE PESSOAS À PROCURA DE EMPREGO AUMENTA EM SANTOS

Centro de Emprego e Trabalho tem alta de 60% no volume diário de atendimento; postos que surgem são preenchidos imediatamente


DÉBORA PEDROSO



Na fila do desemprego, desespero e angústia. Esse é o cenário no Centro de Emprego e Trabalho de Santos. O serviço registrou aumento de 60% em atendimento. Por dia, aproximadamente 600 pessoas procuram o local para se recolocar profissionalmente.

De acordo com a coordenadora, Rosana Spinucci Lara, em sete anos de serviço, esta é a primeira crise enfrentada pela instituição. As poucas vagas que surgem são preenchidas imediatamente: não há tempo nem sequer para uma triagem de trabalhadores que se enquadrem no perfil. Ontem de manhã, por exemplo, havia somente oito postos abertos.

No ano passado, houve 9.646 vagas no Centro de Emprego, enquanto 2014 registrou 11.127. A redução de ofertas de trabalho aconteceu no segundo semestre de 2015, que registrou 2.915 vagas, contra 6.025 vagas no mesmo período do ano anterior.

“Os trabalhadores estão desesperados atrás de uma vaga. Quando nós (funcionários) chegamos aqui, já tem uma fila com 200 pessoas para atendimento. Tem gente que vem duas vezes por dia”, conta.

Diante do cenário, a equipe do Centro de Emprego passou a telefonar para as empresas em busca de oportunidades. Porém, a rotina adotada desde agosto do ano passado tem surtido pouco efeito.

Perfil

Segundo Rosana, o Centro de Emprego recebe pessoas de toda a Baixada Santista, mas nos últimos meses aumentou a procura de moradores de Cubatão, que representam 70% dos atendimentos.

A maioria é jovem, com idade a partir de 25 anos e com qualificação profissional para a área industrial, como montador de andaime e soldador. Porém, também há profissionais com Ensino Superior.

Drama

O ajudante geral José Almeida, de 33 anos, é o retrato desse drama por trabalho na Baixada Santista. Há quatro meses, integra o cadastro de 50 mil desempregados no Centro de Emprego. Por buscar diariamente uma oportunidade, tornou-se conhecido dos funcionários e do motorista do ônibus, que se compadece e libera a catraca da condução, que custa R$ 4,50.

Nascido em Sergipe, mudou para Cubatão há 15 anos, onde mora em um cômodo alugado por R$ 300,00 na Vila Natal. Familiares têm ajudado no aluguel. Até agora, Almeida fez um processo seletivo, mas não teve retorno.

“Está muito difícil, parece que fechou tudo. Nunca passei por isso, mas ainda estou com fé que vou conseguir”. Um dos entraves para Almeida é a escolaridade. Ele cursou até o 5º ano do Ensino Fundamental. Diz que, por causa da rotina puxada de trabalho, não conseguia concluir os estudos, que agora tanto lhe fazem falta.

“Em tempos de muita mão de obra disponível, o empregador acaba selecionando mais, e o critério escolaridade pesa”, explica Rosana.

Sem consulta

Como outros trabalhadores que moram em Cubatão, José Almeida se queixa do atendimento no Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT) da sua Cidade. O serviço é o único da Baixada Santista que não oferece consulta de vagas.

O trabalhador tem que esperar o contato dos funcionários, que avisam quando há vaga no perfil. Mas, segundo Almeida, esse contato nunca acontece. A Tribuna apurou que o PAT de Cubatão teve aumento de 20% nos atendimentos.

Onde procurar emprego

Santos, Poupatempo Rua João Pessoa, 300 - Telefone 3223-9501/ 3223-9945 

 Centro Público de Emprego e Trabalho Rua Amador Bueno, 249 
 Cubatão Rua Padre Nivaldo Vicente dos Santos, 41 - Telefone 3362-6150 
 Bertioga Av. Anchieta, 392, Centro - Telefone 3319-9716/ 3319-9715 
São Vicente R. Frei Gaspar, 2.577 - Telefone 3467-7599
 Praia Grande Av.Ayrton Senna da Silva,1.511- Telefone 3496-5402
 Itanhaém Av.Harry Forssell,1.505 - Telefone 3427-6234
 Sine Peruíbe Rua da Estação, 50 - Telefone 3453-4555
 Guarujá Av. CasteloBranco, 357 - Telefone 3341-3431/ 3341-1134


FONTE: A TRIBUNA








A situação é bem grave, pois a BAIXADA SANTISTA está muito despreparada para o agravamento da recessão no Brasil. A riqueza prometida pelo pré-sal foi apenas uma ilusão, inflacionando os valores dos imóveis, os quais irão se desvalorizar, jogando ainda mais para baixo o setor da construção civil. Quanto ao turismo, ele só perde num país com muita gente desempregada a qual NÃO PODERÁ VIAJAR PARA SE DIVERTIR, ou seja, a baixada santista é uma das regiões que mais sofrerão com a recessão.


MARCADORES: ESTADO DE SÃO PAULO, LITORAL PAULISTA, BAIXADA SANTISTA, DESEMPREGO EM, BERTIOGA, GUARUJÁ, CUBATÃO, SANTOS, SÃO VICENTE, PRAIA GRANDE, MONGAGUÁ, PERUÍBE


PULANDO CARNAVAL EM PERUÍBE - FEVEREIRO DE 2016





Essa é uma ótima maneira para se pular carnaval aqui em Peruíbe. Conto as horas para a volta da tranquilidade habitual, sem barulho, sem supermercados lotados, sem espuminha e outras bobagens.


MARCADORES: PERUÍBE, PERUIBENSE, CARNAVAL, FESTA, FERIADO / FERIADÃO, FOLIA, NÃO VEJO A HORA DISSO ACABAR

sábado, 6 de fevereiro de 2016

A PATÉTICA CAMPANHA ESTATAL CONTRA O ESTUPRO NA FINLÂNDIA - FEVEREIRO DE 2016




O ridículo vídeo acima, intitulado "como evitar estupros",  é de uma campanha televisiva da YLE, uma rede de TV pública finlandesa. Nele uma loirinha nórdica "ensina" como as mulheres devem se defender de possíveis estupradores. Isso serve para mostrar os danos do MARXISMO CULTURAL em qualquer sociedade no qual ele já foi fortemente disseminado. Ora, essa pérola da propaganda estatal só poderia ter espaço num "paraíso feminista" como a Finlândia, onde o discurso da absoluta "igualdade" entre os sexos nega diferenças biológicas. A frágil moça conseguiria conseguiria intimidar um agressor bombado com simples empurrões? Pois é. Mais uma bobajada politicamente correta que afronta a simples realidade.

O vídeo a seguir faz mais sentido, com direito a hadouken do jogo STREET FIGHTER e golpes com ESPADA JEDI, como melhores métodos de legítima defesa.




MARCADORES: POLITICAMENTE CORRETO EM AÇÃO, VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA AS MULHERES CRESCE NA EUROPA, MARXISMO CULTURAL E SUAS CONSEQUÊNCIAS, PROPAGANDA ESTATAL NA FINLÂNDIA, NORTE DA EUROPA, PAÍSES NÓRDICOS, FEMINISTAS, A INCAPACIDADE DO FEMINISMO EM PROTEGER AS MULHERES EUROPÉIAS, FEMINISMO EM / NA, BAIXADA SANTISTA, LITORAL PAULISTA, SANTOS, SANTISTA, PRAIA GRANDE, PRAIAGRANDENSE, MONGAGUÁ, MONGAGAVENSE, ITANHAEM, ITANHAENSE, PERUÍBE, PERUIBENSE, VALE DO RIBEIRA, VALERIBEIRENSE, ANA DIAS, ITARIRI, ITARIRIENSE, PEDRO DE TOLEDO, PEDROTOLEDENSE, MIRACATU, MIRACATUENSE, JUQUIÁ, JUQUIAENSE, REGISTRO, REGISTRENSE, IGUAPE, IGUAPENSE, ILHA COMPRIDA, ILHACOMPRIDENSE, SETE BARRAS, SETEBARRENSE, PARIQUERA-AÇU, PARIQUERENSE, JACUPIRANGA, JACUPIRANGUENSE, CANANÉIA, CANANIENSE, BARRA DO TURVO, BARRATURVENSE, CAJATI, CAJATIENSE, IPORANGA, IPORANGUENSE, ELDORADO, ELDORAENSE, CURITIBA, CURITIBANO, BRASIL, BRASILEIROS


sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

VINICIUS TORRES FREIRE / DESPESAS ESSENCIAIS SOBEM MAIS QUE EM 2013 - FEVEREIRO DE 2016



Vocês lembram da "inflação do tomate"? Em abril de 2013, os preços da comida estavam subindo muito. O preço do tomate crescia ainda mais. Naquela época, o tomate acabou virando símbolo da alta dos preços da alimentação. Virou piada nas redes sociais. As pessoas diziam que comer tomate era coisa de rico etc e tal. Mas o problema mesmo é que nós estávamos sentido que a inflação da comida estava pesada.

Em abril de 2013, a inflação anual da comida chegou a 14%. Agora, está perto de 13%, como soubemos hoje pelos números do IBGE. Isso é uma média. Claro que tem coisa que subiu muito mais.

A inflação dos alimentos parece que foi um dos vários motivos que ajudou a causar o mau humor que daria nas manifestações de junho de 2013. Foi a primeira impressão de que a economia não ia bem: crescia menos e o custo de vida estava alto.

A diferença agora é que a inflação em geral é mais alta: era de 6,5% lá em 2013. É de quase 11% agora. E é mais alta justamente naquelas coisas que a gente não pode evitar, coisas do dia a dia essenciais.

Para piorar, o preço da energia e dos combustíveis subiu, na média, 36% em um ano. Lá em abril de 2013, subia 11%. Nos gastos com transporte e habitação, diferenças também enormes.

Ou seja, nas despesas essenciais, comer, morar, se mover pela cidade, a conta de luz, tudo ficou muito mais caro, subiu muitíssimo mais que em 2013.

Esse é um dos motivos pelos quais as pesquisas de confiança do consumidor mostram grande pessimismo. Menos dinheiro do bolso por causa da inflação ou porque a renda caiu, junto com pessimismo e medo de perder o emprego, são fatores que causam ainda mais estrago na economia.

Essa grande depressão nacional deve ser um dos motivos pelos quais os economistas começam a dizer que 2016 deve ser tão ruim quanto 2015.

Hoje de tarde, os economistas do banco Itaú soltaram a revisão de sua análise para o ano. Acham que a economia encolheu 3,9% no ano passado e deve encolher outros 4% neste 2016.

Estão entre as maiores recessões da história da República do Brasil.



MARCADORES: RECESSÃO / DEPRESSÃO NO BRASIL, CRISE ECONÔMICA GRAVE, GOVERNO DILMA / PT (OU SERIA DESGOVERNO?), VOTOU NA DILMA EM 2014? 

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

DENISE CAMPOS DE TOLEDO / GOVERNO QUER DAR ALGUM OXIGÊNIO E GANHAR TEMPO - FEVEREIRO DE 2016



As vendas do comércio vêm refletindo o que está acontecendo com o consumidor. A situação continua bem difícil, com uma combinação de fatores que compromete o poder de compra e a confiança. A inflação ainda está em patamar muito alto e com aumento de despesas básicas, como transporte e alimentos. Os juros continuam subindo na ponta final, porque os bancos querem se proteger do risco de calote. Quem paga em dia compensa a inadimplência. E tem o desemprego, que pode ser uma ameaça ainda mais séria agora em 2016. As previsões não são boas. Nesse contexto, até quem tem dinheiro pensa duas vezes antes de gastar. Há um clara mudança no padrão de consumo da população, com cortes desde as despesas de supermercado até as refeições fora de casa e o lazer. No caso dos carros, e também dos imóveis, há uma cautela muito maior, porque a compra significa um gasto muito mais significativo ou, pior, o comprometimento de renda por um período muito longo, sem que haja um horizonte de recuperação do quadro econômico. O governo está tentando dar algum oxigênio. Veio com aquelas linhas de empréstimo para setores específicos, pode ajudar pequenas empresas com capital de giro, as grandes a renegociarem dívidas, como as compras de máquinas e equipamentos, feitas num período em que a economia ainda estava indo bem. E agora quer que o fundo de garantia e a multa rescisória, em caso de demissão, sejam usados no crédito consignado, que é das linhas mais baratas. Parte dos empréstimos pode até ir para o consumo, mas o que se espera é que as pessoas possam pegar o empréstimo pra quitar dívidas mais caras, como o rotativo do cartão ou o cheque especial. Com a garantia da cobertura no caso de a pessoa perder o emprego se imagina até que possa haver algum corte dos juros do consignado. São paliativos. Mas demonstram a preocupação do governo com implicações ainda mais graves, inclusive do ponto de vista social, da crise que, pelo jeito, pode se arrastar ainda por um bom tempo. Tempo é o que o governo quer ganhar enquanto não toma as providências mais sérias pra colocar a economia nos trilhos. Eu volto na segunda. Até lá.


MARCADORES: BRASIL, BRASILEIROS, RECESSÃO, GOVERNO DILMA / PT

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

VINICIUS TORRES FREIRE / COM MEDO DE CALOTE, BANCOS JOGAM NA RETRANCA - FEVEREIRO DE 2016




Vocês aí lembram que o governo na semana passada disse que ia tentar aumentar o crédito no país, o total de dinheiro emprestado? Pois então. Os maiores bancos privados do país acabaram de dizer que, da parte deles, o crédito vai diminuir.

Aliás, mesmo que todo o pacote de crédito do governo saísse do papel, não seria bastante nem para compensar metade da diminuição do dinheiro emprestado no Brasil no ano passado.

Pior que isso, mesmo que as medidas do governo deixem de ser apenas planos, é preciso que as pessoas peguem os empréstimos. E, como se sabe, todo mundo está com medo de gastar dinheiro, quanto mais tomar dinheiro emprestado.

A direção dos bancos Itaú e Bradesco disseram na última semana que o total de dinheiro que esses bancos têm emprestado vai diminuir neste ano. Ou melhor, a carteira de crédito desses bancos vai crescer menos que a inflação. Na prática, em termos reais, vai diminuir outra vez.

O Santander não faz estimativa de quanto vai crescer sua carteira de crédito, mas acha que dificilmente supera a inflação. Nos bancos públicos, Banco do Brasil e Caixa, provavelmente não vai haver crescimento. Esses cinco bancos têm quase 80% do dinheiro emprestado no Brasil.

Por que os bancos estão jogando tanto na retranca? Porque, claro, acham que a economia vai mal, que mais gente perderá emprego, que mais empresa terá dificuldade e, portanto, haverá mais risco de calote.

Em resumo, as expectativas de todo mundo estão sendo revisadas para baixo, com exceção de algumas empresas que exportam, que vendem para outros países, pois o real perdeu valor e, assim, os produtos brasileiros ficaram mais baratos lá fora, um pouco mais fácil de vender.

As expectativas de todo mundo estão baixas ou caindo porque não há nenhuma notícia de mudança importante nas políticas do governo, porque o tumulto político continuará paralisando decisões, porque parte do Congresso quer ver a caveira de Dilma Rousseff. Em resumo, a coisa está mal parada.



MARCADORES: O GOVERNO DILMA / PT CAMINHA PARA UM NOVO FRACASSO


CÂMARA DE PERUÍBE, SP, ABRE CINCO VAGAS EM CONCURSO PÚBLICO - FEVEREIRO DE 2016




Há vagas para para contador, agente legislativo e comunicador social.
 Inscrições podem ser feitas pela internet até 29 de fevereiro. 

Do G1 Santos

A Câmara Municipal de Peruíbe, no litoral de São Paulo, abriu inscrições para cinco vagas em concurso público nos cargos de agente legislativo, contador e comunicador social. As inscrições são feitas somente pela internet, por meio do site Omega, até 29 de fevereiro.

A função de agente legislativo é a que possui o maior número de vagas. São três no total. Para concorrer a uma delas, o candidato precisa ter, no mínimo, ensino médio completo. A carga horária de trabalho é de 40 horas semanais e a remuneração é de R$ 1.728,06. A taxa de inscrição custa R$ 37.

Já para os cargos que exigem ensino superior completo a inscrição custa R$ 52. Quem se candidatar à função de contador [1 vaga] precisa, além do curso superior em Ciências Contábeis, registro no CRC. O salário inicial é de R$ 5.206,27, também para 40 horas semanais.

Há também uma vaga na área de comunicação social ou jornalismo. É preciso ter registro ensino superior completo e MTB. A remuneração mensal é de R$ 3.429,15. A previsão é que a prova seja realizada já no mês de março na própria cidade.




LINK DO SITE OMEGA: https://omegaitu.websiteseguro.com/


FONTE: G1 SANTOS


POSTAGEM RECOMENDADA: TODO CONCURSEIRO PRECISA CRIAR UMA MICRO-SOCIEDADE




MARCADORES: PERUÍBE, PERUIBENSE, CONCURSO PÚBLICO MUNICIPAL, CÂMARA DOS VEREADORES DE PERUÍBE, FUNCIONALISMO PÚBLICO, OPORTUNIDADES DE EMPREGO