sábado, 29 de abril de 2017

VINÍCIUS TORRES FREIRE /DESEMPREGO AUMENTA, MAS HÁ UMA BOA NOTÍCIA - ABRIL DE 2017




Hoje foi dia de greve e cidades paradas. Mal deu para perceber, no tumulto, que saiu um balanço da situação do trabalho. Ruim para o emprego, mas nem tanto para a economia.

Como isso é possível?

Primeiro, a novidade boazinha da pesquisa do IBGE: o total dos salários pagos na economia, o total dos rendimentos do trabalho, cresceu pela primeira vez 18 meses, desde 2015.

Isto é, a massa salarial, tudo o que todo mundo ganhou no trabalho, foi maior nos três primeiros meses deste ano do que no ano passado. Por quê? Principalmente porque a inflação diminuiu e porque quem está no emprego teve algum reajuste.

Em resumo, aumentou o poder de compra das pessoas que estão empregadas.

E daí? Daí que há um pouquinho mais de dinheiro para o consumo. Se há mais consumo, se as pessoas compram um tiquinho mais, há um pouquinho mais de produção nas empresas, que devem passar a demitir menos ou até contratar.

Quer dizer, parece mesmo que a economia parou de encolher, de produzir e pagar menos salário, neste primeiro trimestre. Agora, as más notícias: sim, o número de pessoas empregadas caiu ainda em relação ao ano passado. A situação do emprego só piorou. O desemprego aumentou. Era de 13,2% em fevereiro, foi para 13,7% em março. São 14,2 milhões de pessoas procurando trabalho sem encontrar. Como é possível dizer que a economia parou enfim de piorar se o total de pessoas empregadas cai, se aumenta a quantidade de gente procurando trabalho sem achar?

Costuma ser assim. Quando a economia começa a piorar, as pessoas não perdem o emprego logo de cara. As empresas não demitem logo. Na média, esperam para ver como fica a situação.

Mas, por outro lado, quando a economia começa a melhorar, as empresas não saem contratando. Têm capacidade ociosa, podem produzir sem contratar ou investir mais. Têm medo de contratar, enquanto a melhora não parece firme, duradoura.

Então, mesmo com a melhorazinha neste ano, o desemprego ainda vai crescer, pelo menos até metade do ano. O mau humor, que em parte apareceu nas greves, vai continuar também.



MARCADORES: BRASIL, BRASILEIROS, RECESSÃO / DEPRESSÃO ECONÔMICA 2017, DESEMPREGO EM MASSA, DESEMPREGADOS, ECONOMIA EM RECUPERAÇÃO, PERUÍBE, VALE DO RIBEIRA


Nenhum comentário: