quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

VINICIUS TORRES FREIRE / MUDAR DE PRODUTO É A SAÍDA NA ALTA DE ALIMENTOS - FEVEREIRO DE 2016



O preço da comida está irritando ou preocupando muito. A gente ouve mais reclamação na fila do mercado, mais espanto na feira. A gente vê os números da inflação.

Nas contas dos economistas, a inflação deve ser menor neste ano do que no ano passado. Mas, a cada semana, se acha que a queda não vai ser tão grande assim.

Na prática, se a situação não voltar a piorar, a gente deve começar a sentir uma inflação menor lá por junho.

No ano passado inteiro, a inflação média no Brasil foi de 10,7%. Neste ano, se estima que deva ficar em 7,5%.

O que está pegando mais, no momento, naqueles preços que a gente sente mais? Preço de comida. O preço de energia ficou muito alto, mas não está subindo mais assim. Já o preço da comida, o que pesa mais, subiu bem em janeiro, em especial em São Paulo.

Apenas em janeiro, o preço das hortaliças subiu 14%. Feijão, alta de 7%. Arroz, 3,5%. Pão, 4,3%. Isso tudo é alta de apenas um mês, segundo os dados do Instituto Agrícola de São Paulo.

A chuva atrapalhou as plantações desse produto. No caso do pão, o problema é o trigo, que tem preço em dólar, assim como o óleo de soja. É verdade que preço de comida varia muito rápido, depende do clima, da chuva, da seca. Pode haver uma virada nos próximos meses, até para melhor. O problema é quando a inflação em geral já está alta, quando a maioria dos outros preços também estão subindo. Então, fica mais difícil de ajeitar a vida. Não tem muito como escapar, a não ser tentar fazer trocas de produtos. A carne de porco subiu muitíssimo menos que as outras, por exemplo. Mas o alívio é pequeno, na conta do supermercado.

No meio do ano passado, a gente disse aqui no Jornal da Gazeta que a inflação deveria começar a cair um pouquinho antes do Natal. Não rolou. Agora, parece que em junho os preços devem subir com menos rapidez, o bastante para a gente sentir no bolso.

Dá para acreditar mais agora? Talvez sim, infelizmente. Vai ser mais difícil aumentar preço, pois a gente compra cada vez menos, dada a crise, que vai piorando.




MARCADORES: INFLAÇÃO, PREÇOS, COMIDA, ALIMENTOS, GOVERNO DA PRESIDENTE DILMA / PT

Nenhum comentário: