segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

DENISE CAMPOS DE TOLEDO / ENTRE DÚVIDAS, PROJEÇÕES NÃO PARAM DE PIORAR - JANEIRO DE 2016



O ano começou bem pior que se previa e olha que janeiro nem terminou. Não bastassem os problemas domésticos, agora vêm com mais intensidade as preocupações de fora. A desaceleração da China e a queda dos preços do petróleo e outras commodities podem comprometer o retorno financeiro das exportações de produtos básicos e prejudicar empresas como a Vale e a já debilitada Petrobrás. No exterior, o risco de quebra de empresas da área e calotes tendem a deixar o crédito mais restrito. Mas o Brasil ainda é uma das principais travas à economia global. Recessão, inflação e desgoverno colocam o País numa posição bem desfavorável. Vamos ter dois anos seguidos de recessão pesada, o que nunca ocorreu. E sem saber o que o governo pode e quer fazer pra reverter esse quadro. Reforma da Previdência, mais crédito para empresas e famílias, sem comprometer o ajuste fiscal, concessões de infraestrutura, maior controle da inflação. É por aí mesmo. Haverá até um conselhão com empresários, banqueiros, sindicalistas e representantes da sociedade para propor saídas para a crise. Mas será que vai haver disposição política pra fazer o que é certo. Por posturas ideológicas e falta de jogo de cintura, o governo deixou o País ser arrastado para a atual combinação de crises - política, econômica, de confiança... Será que mudou? A vacilada do Banco Central em relação aos juros não foi um bom sinal. A impressão é que deixou de elevar os juros não só por se preocupar com a recessão mas por pressão política mesmo. E os vários usos cogitados, agora, para o Fundo de Garantia??? Não que se deva estrangular o crédito e projetos sociais O problema é de onde e de que forma virá o dinheiro. É por dúvidas assim que as projeções não param de piorar. Eu volto na quinta. Até lá.


MARCADORES: BANCO CENTRAL, RECESSÃO, RETRAÇÃO DA CHINA, VALE DO RIO DOCE, PETROBRÁS, BRASIL, BRASILEIROS, GOVERNO DILMA / PT

Nenhum comentário: